[TUTORIAL] - Como Manter um Corsa GSI

Faça você mesmo as instalações e manutenções em o seu Corsa.

Moderadores: andre pirituba, SemControle, Organizadores do Fórum

Avatar do usuário
Wilson
:: Administrador ::
Mensagens: 2273
Registrado em: Segunda-feira 03rd 2003f Novembro 2003 04:50:44 PM
Localização: São Paulo - SP
Modelo do veiculo: CORSA GSI 16V
Ano de fabricação: 1996
Contato:

[TUTORIAL] - Como Manter um Corsa GSI

Mensagempor Wilson » Terça-feira 05th 2011f Abril 2011 11:42:59 PM

A manutenção de um Corsa GSI 16V deve ser criteriosamente observada, levando-se em conta a relativa raridade das peças de reposição e os altos preços praticados, quando comparados a um veículo nacional da mesma categoria.

Um dos fatores que se deve ter em mente – e que muitos proprietários não se dão conta –, é a aparência exterior, principalmente no que se refere aos apêndices aerodinâmicos e o pára-choque dianteiro. O pára-choque dianteiro, além de ser raro e muito caro, apresenta falha no processo de fabricação e no projeto. Deste modo, quando este é retirado para que seja realizado algum reparo mecânico, por exemplo, no sistema de ar condicionado, costuma rachar na área logo abaixo do farol. Essa rachadura aparece porque o técnico que está manuseando o pára-choque tem de alargá-lo para que sejam encaixadas as presilhas que ficam nas laterais internas do pára-choque, com os suportes fixados na lataria. Durante esse procedimento pode também ocorrer a quebra das presilhas, fazendo com que o pára-choque fique torto quando recolocado. Essas presilhas costumam ser danificadas, também, por causa das constantes trepidações e buracos das vias públicas mal conservadas.

No caso das saias laterais, que são extremamente caras, podemos identificar outro erro de projeto, pois elas se soltam com facilidade em virtude de serem fixadas no carro apenas com presilhas de encaixe. Recomenda-se que elas sejam fixadas à lataria do carro através de rebites, que devem ser colocados na área inferior da entrada para o macaco de elevação do veículo. Para isso, deve-se retirar a tampa da saia, fazer um furo com uma furadeira, fixar os rebites e recolocar a tampa. Recomenda-se, também, a colocação de uma borracha (carrapeta, por exemplo) entre a saia e a lataria, por onde o rebite deverá passar pelo interior, a fim de evitar infiltração de água e a conseqüente corrosão. É muito comum que as saias se soltem quando o carro passa em poças fundas e também são fáceis de serem removias por algum indivíduo mal-intencionado.

No aspecto mecânico, é importante ressaltar que o proprietário deve fazer uma pesquisa sobre a peça a ser comprada antes de se dirigir a qualquer loja. Isso porque existe uma desinformação sobre o modelo no mercado paralelo de peças, fato esse que ocorre também com os mecânicos, que desconhecem o funcionamento do motor e da injeção do tipo SFI (seqüencial). Por isso, o mecânico deve ser um profissional altamente capacitado para o serviço, evitando que o prejuízo se torne mais caro ou até que não tenha solução (caso o mecânico quebre uma peça inexistente no mercado). O proprietário de Corsa GSI 16V deve estar ciente de que nem todas as peças do modelo são exclusivas, ao contrário do que alguns concessionários e mecânicos costumam informar.

Discos de freio, por exemplo, são encontrados nos concessionários por cerca de R$ 1.500,00 o par, sendo que o mesmo por ser comprado no mercado paralelo por menos de R$ 280,00 para o Tigra. É importante saber que se trata do mesmo componente, já que a peça nos dois veículos tem as mesmas especificações.

Isso também ocorre com as pastilhas de freio, que podem ser encontradas nos concessionários por até R$ 720,00 e, em Auto Peças, por menos de R$ 30,00 (essas usadas em qualquer modelo de Corsa).

Outros exemplos de peças com preços altamente discrepantes, por justificativa de serem exclusivas do modelo – e que na verdade não são –, estão a bomba d’água (todos os modelos de Corsa), correia dentada (Tigra e Corsa GLS), tensor da correia dentada (Tigra e GLS), Rolos guia da correia dentada (Corsa GLS), bomba elétrica de combustível (Astra 95, Tigra e Vectra 97), entre muitas outras.

Na hora de manter o GSI, alguns itens devem ser constantemente observados, para evitar problemas mais sérios com gastos seja ainda maior.

Itens importantes a serem observados estão ligados à distribuição do motor, que apresenta peças de materiais pouco resistentes e, conseqüentemente, de baixa durabilidade. Entre eles temos os rolos guias da correia dentada (que é feito de plástico) e que com o passar dos anos rachar e partir em pedaços, provocando o “cabeceamento” das válvulas, causando empenamento das mesmas como, também, do comando de válvulas. É importante que os dois rolos guias e o tensor, sejam trocados juntamente com a correia dentada. Essa última deve seguir o critério do fabricante no que se refere ao prazo de troca.

Outros componentes que sofrem com a durabilidade baixa são os retentores de válvula do cabeçote, que costuma estourar, provocando vazamento de óleo para o interior da câmara de combustão e a conseqüente eliminação de fumaça pelo escapamento. A não correção deste problema pode provocar acentuada carbonização das válvulas e, em alguns casos, impedir o correto fechamento das mesmas provocando a queda da compressão do motor e redução no desempenho.

A medição do nível do óleo deve ser feita semanalmente, pois o Corsa GSi apresenta um consumo elevado de lubrificante, variando de veículo para veículo, e também com a quilometragem total do automóvel e a viscosidade do lubrificante.

Outro item que comumente apresenta falha é a Válvula EGR. Essa pode travar e prejudicar o desempenho do veículo em baixa rotação do motor ou causar as chamadas batidas de pino. Os sintomas mais comuns do travamento da EGR é a perda de desempenho, engasgues em baixa rotação, luz do painel acendendo e apagando por alguns períodos. Para evitar problemas com a EGR, deve-se usar gasolina livre de chumbo, ou, pelo menos, aditivada. O diagnóstico de problemas com a EGR é facilmente feito com o uso de um scanner, mas a sua descabonização deve ser feita por um profissional competente e capacitado afinal ele custa, em média, R$ 1.772,00 e é encontrada apenas em concessionárias. O processo de descabonização em si, não apresenta maiores dificuldades, para o profissional que sabe o que está fazendo. O problema, na verdade, é o acesso à válvula, que é feito retirando-se toda a admissão, TBI (borboleta), desmonte dos bicos, linha de combustível, parte do escape etc., o que faz o serviço ser demorado e caro.

Geralmente há um acréscimo de cerca de R$ 150,00 a R$ 200,00 sobre o preço da limpeza completa da injeção, TBI e bicos, para que seja feita a descabonização da EGR.

É comum que um mecânico incompetente diga ser necessário a troca da válvula. Porém, em alguns casos, o interior de borracha da válvula pode estar realmente danificado, daí o motivo para se freqüentar, apenas, um profissional capacitado e de sua confiança.

O proprietário de Corsa GSI 16V deve lembrar que em seu motor existem pequenas peças que podem variar de R$ 1.000,00 até cerca R$ 4.000,00 (no caso da bomba de ar secundária, por exemplo), e alguns profissionais inescrupulosos poderiam trocá-las por uma defeituosa e vender a peça boa fazendo o proprietário comprar uma nova.

Algumas observações desse texto podem ser também aplicadas a outros modelos, principalmente aos outros esportivos mais raros da mesma marca no que se refere ao mercado de peças de reposição.

É importante lembrar, que seguidas às manutenções periódicas do veículo, o proprietário evitará problemas constantes e recorrentes, podendo assim desfrutar, sem aborrecimentos, desse veículo, que tem tantas qualidades a oferecer.

Texto: Fabrício Packness (Fabrício DF)



Voltar para “Tutoriais”

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante